Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Crepúsculo em São Paulo. Foto Claudia Stinco

abstracts

português
Martin Jayo, professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, comenta novas regras de seu condomínio à luz do artigo de Mauro Calliari publicado anteriormente em Arquiteturismo.


how to quote

JAYO, Martin. Senhores condôminos: a poesia condominial foi jogada escada abaixo. Arquiteturismo, São Paulo, ano 14, n. 161.02, Vitruvius, ago. 2020 <https://agitprop.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/14.161/7854>.


Em abril passado, meu amigo (virtual, mas ainda assim amigo) Mauro Calliari publicou em seu blog “Caminhadas Urbanas”, e em seguida também na revista Arquiteturismo, um sensível artigo sobre os encantos de caminhar nas escadas do próprio prédio, descobertos durante a pandemia de Covid-19 (1).

Andarilho contumaz, Mauro se viu forçado a caminhar bem menos por causa da quarentena. E resolveu então que, pelo menos, não usaria mais o elevador. “Moro no 11º andar, então, nas poucas vezes em que preciso descer, ponho a máscara e encaro as escadas com determinação”, conta ele. E as subidas e descidas acabaram se revelando “uma experiência surpreendentemente boa, incapaz de rivalizar com as surpresas e prazeres das caminhadas na rua, mas que tem seus encantos”.

Uma parte desses encantos se deve, segundo o Mauro, aos sapatos deixados pelos vizinhos para fora das portas, uma atração especial oferecida pela pandemia:

“Há vários, por toda parte. No terceiro andar, porém, tem o meu preferido, o casal de All Star. Antes, tinha só um par, vermelho. Um dia, apareceu outro par, um branco, menorzinho, como se não pudessem ficar longe um do outro”.

O artigo do Mauro influenciou a minha própria fruição das duas escadarias que tenho frequentado: a do meu próprio prédio, onde moro no 3º andar, a do prédio dos meus pais, enclausurados desde março no 12º.

Calçados na porta de apartamento
Foto Mauro Calliari, abril 2020

Juntando-se por vezes a cheiros, a vozes ou música, a um ou outro objeto decorativo e à enorme variedade de tapetinhos e capachos, os sapatos na porta de cada casa tornaram-se um prazeroso meio de fabular histórias, sinais da vida que há lá dentro. Alguma coisa tem que ter poesia e beleza neste período tão triste. Que sejam então os sapatos dos vizinhos!

Mas por que conto isso agora? Porque quero relatar que esta semana, aqui no prédio onde moro, matou-se essa poesia.

Faço aqui uma reconstituição do crime: tudo começou no início do mês, quando o elevador de serviço foi parado para reforma. A explicação veio por meio de uma circular aos moradores e um aviso pendurado em cada andar: teremos uma equipe de técnicos trabalhando no prédio por 30 dias. Durante esse tempo teremos que subir e descer a pé, mas a compensação virá. Ao fim do período, desfrutaremos de um “equipamento modernizado com tecnologia de última geração”!

Aviso em porta de elevador
Foto Martin Jayo, 9 ago. 2020

Eu poderia dizer aqui o que achei sobre fazer essa obra durante a pandemia, e sobre o significado simbólico iniciá-la na mesma semana em que se atingiu a marca de 100 mil mortos. Mas não vou fazê-lo, porque só vim mesmo para falar de sapatos. E também porque, no fundo, a perspectiva de subir e descer a pé por um mês não estava me incomodando: eu já gostava disso desde abril, graças ao Mauro!

Mas um segundo e fatal golpe veio alguns dias depois, na forma de uma nova circular. Já que, além de sapatos, também estou falando de poesia, reproduzo aqui os versos do poema recebido:

“São Paulo, 05 de agosto de 2020.

Prezados Srs. Condôminos,

Na qualidade de administradores e por determinação do Corpo Diretivo, vimos ressaltar que é expressamente proibido depositar quaisquer objetos (todo e qualquer tipo de calçado [...]) nas áreas comuns do condomínio, como escadarias e hall de serviço, que são rota de fuga, e no hall social. Informamos que tal prática caracteriza infração regulamentar, estando sujeita às sanções previstas na Convenção Condominial, tais como advertência e multa. Sem mais, contando com a colaboração e compreensão de todos, subscrevemo-nos.

Atenciosamente,

A Administração”

Pelo jeito, quando a falta de elevador mostrou poesia condominial àqueles que ainda não a conheciam, houve quem se incomodou. A beleza tem dessas coisas: alguns convivem bem com ela, outros precisam varrê-la escada abaixo.

Paro por aqui, para ir fazer minha despedida. Ainda dá tempo de subir e descer todos os andares uma última vez.

nota

1
CALLIARI, Mauro. Caminhar pelas escadas. Uma experiência que, se não rivaliza com a rua, tem seus encantos, surpresas e pelo menos uma grande tristeza. Arquiteturismo, São Paulo, ano 14, n. 157.03, Vitruvius, abr. 2020 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/14.157/7724>.

sobre o autor

Martin Jayo é professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

comments

161.02 viagem no próprio edifício
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

161

161.01 memória de viagem

Cantada por poetas e cenário de batalhas, Beirute vai se reconstruir

Milton Hatoum

161.03 viagem cultural

Gion além das gueixas de Kyoto

Sérgio Jatobá

161.04 coronavírus

Tudo junto, de uma única vez

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided