Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

bookshelf

Memória da amnésia

Memória da amnésia

Políticas do esquecimento

Giselle Beiguelman

Edições Sesc SP, São Paulo; 1ª edição, 2019

edition: português
paperback
248 p
16 x 23 x 2 cm
794 g
ISBN 978-85-9493-154-2

Memória da amnésia

about the book

A artista, professora e pesquisadora Giselle Beiguelman reúne ensaios textuais e visuais sobre as estéticas e as políticas de preservação da memória – e as ações sistemáticas que as transformam, também, em políticas do esquecimento. Ao mesmo tempo em que se volta às construções e aos monumentos do passado, Beiguelman expõe as relações contemporâneas dessas obras com os fixos e fluxos das cidades, num contraponto entre a ruína e o futuro.

Introduzidos por um ensaio crítico, os capítulos tratam de projetos realizados pela autora em diferentes contextos, no espaço urbano e nos espaços informacionais das mídias e das redes. O primeiro deles, intitulado “Beleza convulsiva tropical” – uma intervenção feita na 3ª Bienal da Bahia (2014), no Arquivo Histórico do Estado – discute a tensão entre natureza e cultura, o informal e o formal, o enfrentamento entre controle e descontrole que se emaranham à história cultural e urbana do Brasil.

O segundo capítulo, “Memória da amnésia”, dá nome ao livro e é fruto de uma exposição realizada pela autora em 2015. Com foco nos depósitos de monumentos da cidade de São Paulo, o projeto incluiu o traslado de um conjunto de obras e fragmentos de monumentos do depósito do Canindé para o interior do Arquivo Histórico municipal, onde ficaram expostos, deitados, por quatro meses.

A memória digital

Os dois capítulos seguintes tratam de trabalhos realizados por Beiguelman com mídias digitais. “Já é ontem? ” apresenta um longo ensaio visual a partir de fotografias e frames que documentou, de 2010 a 2017, as transformações da zona portuária do Rio de Janeiro (o Porto Maravilha), com ênfase na demolição da Perimetral e no entorno da praça Mauá. O seguinte, Museu das perdas para nuvens de esquecimento, discute as dificuldades de lidar com a memória das redes a partir da obra de net art O livro depois do livro e sua incorporação ao acervo do MAC-USP.

Incêndio no Museu Nacional

Memória da amnésia já estava quase pronto quando, em 3 de setembro de 2018, um incêndio transformou em ruínas o Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Diante dessa tragédia, Beiguelman incluiu um último capítulo, intitulado “Beleza compulsiva tropical”, em que o incêndio é lido sob o signo das catástrofes e como uma metáfora do nosso passado recente.

De modo geral, todas essas abordagens dizem respeito às disputas pela visibilidade no campo da memória e acompanham os propósitos e esforços daqueles que constroem determinadas narrativas e analisam suas consequências nos espaços das cidades.

“Ao sublinhar as camadas de significado inerentes à iconografia produzida por diferentes instâncias de poder, bem como sua ressignificação e subversão, Beiguelman enseja reflexões que tecem comentários sobre os processos de desenvolvimento do país, assolado entre signos de modernidade e arcaísmo”.
Danilo Santos de Miranda, Diretor Regional do Sesc São Paulo

“Nunca se produziu tantos registros como atualmente, ao mesmo tempo em que nunca foi tão difícil ter acesso ao passado recente. O tsunami de informações tem o esquecimento como efeito colateral. Não é isso o que sentimos quando, na inspeção arqueológica de gavetas e armários, encontramos disquetes obscuros?
O tema está na ordem do dia, mas não na chave tratada por este livro. Em lugar de um conjunto de leituras teóricas, de natureza generalizadora e abstrata, Beiguelman nos oferece cinco capítulos, cinco ensaios visuais, cada qual um desdobramento do tema da memória, da amnésia e das políticas em curso referentes ao que deve ser esquecido.
Os capítulos são introduzidos por um ensaio crítico, modalidade de texto lamentavelmente pouco praticada na academia e defendida por Jean Starobinski como fruto de uma escrita movida pelo prazer, aquela que não sufoca o leitor com citações e comentários excessivos.
Agnaldo Farias, crítico de arte e Professor da FAU-USP

about the author

Giselle Beiguelman
Desenvolve projetos de intervenções no espaço público e com mídias digitais. Livre-docente da FAU-USP, membro do Laboratório para outros Urbanismos e do Interdisciplinary Laboratory Image Knowledge. Colunista da Rádio USP e da Zum.

how to quote

BEIGUELMAN, Giselle. Memória da amnésia. Políticas do esquecimento. São Paulo, Edições Sesc SP, 2019.

comments

Memória da amnésia

resenhas desse livro
por Agnaldo Farias

outros livros

share

magazines

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided