Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
No dia de comemoração do centenário de um dos principais artistas plásticos do Brasil, Athos Bulcão, Rodrigo Queiroz destaca o enorme serviço prestado à arquitetura moderna brasileira ao promover a síntese das artes.

english
On the commemoration of the centenary of one of Brazil's leading artists, Athos Bulcão, Rodrigo Queiroz highlights the enormous service provided to modern Brazilian architecture by promoting the synthesis of the arts.

español
En el día de conmemoración del centenario de uno de los principales artistas plásticos de Brasil, Athos Bulcão, Rodrigo Queiroz destaca el enorme servicio prestado a la arquitectura moderna brasileña al promover la síntesis de las artes.

how to quote

QUEIROZ, Rodrigo. Athos Bulcão, 100 anos. Homenagem a um dos principais artistas construtivos do Brasil. Drops, São Paulo, ano 19, n. 130.01, Vitruvius, jul. 2018 <http://agitprop.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.130/7041>.



Se o mural de Cândido Portinari na Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha (1943), é a imagem mais difundida da integração entre as artes visuais e a arquitetura moderna no Brasil, são os painéis abstratos de Athos Bulcão – principalmente aqueles definidos por um ou mais módulos repetidos, seja de modo ortogonal, seja em disposição propositalmente aleatória – que melhor expressam a absoluta indissociação entre a superfície estampada pelos azulejos e o perfil desta arquitetura de contorno original.

Os painéis cerâmicos mais conhecidos de Athos revestem fechamentos verticais implantados diretamente sobre o solo, como podemos observar em projetos como o Hospital Sulamérica (1952), a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima (1958), o Brasília Palace Hotel (1958), a Sede da Editora Mondadori (1968) entre tantos outros. Essa superfície de padronagem extensível e multidirecional faz com que nossa percepção visual não se fixe em pontos específicos, mas, ao contrário, mantenha uma constante dispersão na tentativa inconsciente de apreender o painel em sua totalidade.

O uso da cerâmica esmaltada e levemente reflexiva associado à disposição variada e desprovida de proporção, ritmo e simetria desses módulos cerâmicos, faz com que abstraiamos a real materialidade e o caráter estático daquela superfície e, consequentemente, daquela parede.

As figuras que Athos cria para os módulos cerâmicos, ao final, não revelam uma relação entre figura e fundo (o que manteria uma indesejável profundidade ao plano, ainda tributária à figuração), mas uma relação binária entre positivo e negativo, na qual figura e fundo buscam justamente uma relação de equivalência e indistinção e não de hierarquia (primeiro plano e plano de fundo). E é justamente essa desmontagem visual da superfície que enfatiza o caráter moderno da forma sobreposta a ela.

Se a grande revolução urbanística e formal da arquitetura moderna consiste na efetiva demonstração da possibilidade de tocar o solo apenas nos seus pontos de apoio e assim transformar radicalmente uma lógica espacial milenar, todo e qualquer fechamento que interrompa essa leitura e que, desse modo, reaproxime a forma da própria história da arquitetura, deve ser evitado.

Nesse sentido, poderíamos dizer que os painéis de Athos preenchem planos de fechamento que, idealmente, sequer deveriam estar ali onde estão. Ou seja, o principal papel do painel de Athos é de, paradoxalmente, desaparecer e assim fazer ver, clarificar o caráter moderno desse contorno ou desse volume que o sobrepõe. Trata-se de um dispositivo formal e visual interno à própria lógica da arquitetura moderna.

Diferentemente de Portinari, os painéis de Athos não são uma estampa autônoma sobreposta à arquitetura, mas, ao contrário, são planos que contém a força que move e define a própria arquitetura. Se a arquitetura moderna brasileira é reconhecida pela sua integração com as artes visuais, Athos Bulcão é o principal responsável por esse feito.

Viva o Centenário de Athos Bulcão, um dos principais artistas construtivos do Brasil!

nota

NE – texto publicado originalmente na página facebook do autor.

sobre o autor

Rodrigo Queiroz é arquiteto (FAU Mackenzie, 1998), licenciado em Artes (Febasp, 2001), mestre (ECAUSP, 2003), doutor (FAUUSP, 2007) e professor livre-docente do Departamento de Projeto da FAU USP. Curador de exposições de arquitetura moderna, tais como “Ibirapuera: modernidades sobrepostas” (Oca, 2014/2015), “Le Corbusier, América do Sul, 1929” (CEUMA, 2012), “Brasília: an utopia come true”, (Trienal de Milão, 2010) e “Coleção Niemeyer” (MACUSP, 2007/2008).

 

comments

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided