Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
A recente pixação do Pátio do Colégio colocou em questão o valor patrimonial de um monumento recente revestido de histórico e o dilema entre a depredação do patrimônio público e o protesto de cunho social.

como citar

NEVES, Deborah. Precisamos falar sobre monumentos e sua simbologia. Ou sobre a pixação no Pátio do Colégio. Drops, São Paulo, ano 18, n. 127.05, Vitruvius, abr. 2018 <http://agitprop.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.127/6947>.



1) Já há alguns anos, alguns locais considerados emblemáticos para a cidade de São Paulo vêm sendo alvo de intervenções estéticas – em sua maioria, pixações. O mais notório caso é o Monumento às Bandeiras, que volta e meia é alvo de tintas. Hoje é a vez do Pátio do Colégio. Aí eu, historiadora e técnica do patrimônio tenho que me manifestar. Então, senta que lá vem textão.

2) Vamos começar pelo começo. O Pátio do Colégio, que é o "marco fundador da cidade de São Paulo" não é tombado pelo Condephaat. “Oh, mas como assim não é?” Pois então. Aquilo lá não é original, sabia? A única coisa que resta da edificação erigida no século 16 é uma parede de taipa que fica no interior do Museu Anchieta, protegida por vidros.

3) Então porque não é original não tem valor de patrimônio cultural? Não é isso. Qualquer coisa tem valor de patrimônio cultural desde que a população atribua a um lugar/coisa esse valor. E esse é o caso do Pátio do Colégio. Não é tombado, mas a população tem um laço afetivo com esse local. E por quê? Porque desde a mais tenra idade escolar, a gente aprende que ali a cidade foi fundada, o mito dos jesuítas pacificadores de índios selvagens e a civilização se impondo sobre a barbárie.

4) O pátio do Colégio e a capela primitiva foram demolidos totalmente – após muitas reformas – no final do século 19. A construção que hoje vemos foi iniciada como comemoração ao IV Centenário da cidade de São Paulo, em 1954. Ficou pronta apenas em 1979, quando Paulo Maluf era governador e Olavo Setúbal (sim, aquele do Itaú) era prefeito. É, portanto, um “monumento” artificialmente criado para estabelecer no tempo e no espaço urbano, um marco para o que pretende representar. Não foi algo que está lá há séculos. Mas é uma produção intencional e ideológica de um monumento.

5) Feito o preâmbulo histórico/crítico, vamos falar da pixação (sim, escrevo com “x” porque é assim que é escrito por quem pixa). As manchetes que trazem a questão tratam como “vandalismo”. Mas vamos pensar um pouquinho além do mais óbvio? Não foi exatamente “vandalismo” o que aconteceu ali, porque não foi o pixo de sempre – crews ou indivíduo que deixou ali sua marca, grife, apelido (1) – mas um protesto. Está escrito claramente “OLHAI POR NOIS”.

6) E aí que mora a grande questão. O prédio é associado a uma memória cristã, católica e jesuíta. A frase escrita em letras monumentais (sentiu o trocadilho, hã hã?) foi dita pelo maior símbolo dessa manifestação e que está presente na sua principal oração – Jesus. Olhai por nós. Nós quem? Percebem a simbologia dessa pixação? Não é só vandalismo. É um manifesto, um grito para que olhe por nós. Quem olhe? Deus? A Igreja? Olhe para quem? A população excluída (e aí cabe um monte de categorias)? Os pixadores?

7) Fato é que, a pixação cumpriu com seu propósito: fez alguém olhar para o prédio, fez olhar para quem escreveu, pode nos fazer olhar para o que ela chama a olhar. Porque, como diria Ulpiano Meneses, não há nada mais invisível que um monumento.

8) Basta que pensemos para além do título do vandalismo e do "ai, que absurdo pixaram um patrimônio". Porque a real é que a maioria dos bens tombados tem pouca aderência entre a população, porque geralmente são lugares que pouco têm a ver com a história de vida da maior parte da população. É só muito recentemente – talvez desde a década de 1980 – que o tombamento deixou de privilegiar a memória cívica e passou a discutir e representar segmentos à margem da sociedade tradicional brasileira. Até porque quem tinha possibilidade de produzir bens que durem sobre os tempos não eram exatamente os mais pobres.

9) Vale ressaltar que é só dar uma lixada na parede e aplicar tinta ali que tudo fica como antes. Não é uma demolição, não é uma violação. É um manifesto simbólico e que foi feito pra causar mesmo, pra chamar a atenção. Não vou aqui ser legalista do patrimônio. Primeiro porque não é tombado pelo Condephaat, segundo porque há muitos bens em péssimo estado de conservação – como o Batalhão de Guardas no Parque Dom Pedro, ali do ladinho – e quase nada se fala sobre o tema. A questão aqui não é sobre o tombamento, o “crime contra o patrimônio cultural”, mas sobre os significados que o prédio têm e outros que têm, mas são escamoteados e que a pixação vem pra jogar na cara as contradições da sociedade.

10) Por fim, termino com o Jacques Le Goff falando sobre documento-monumento, porque ele é muito mais competente que eu pra isso.

"O documento é uma coisa que fica, que dura, e o testemunho, o ensinamento que ele traz devem ser em primeiro lugar analisados, desmitificando-lhe o seu significado aparente. O documento é monumento. Resulta do esforço das sociedades históricas para impor ao futuro – voluntária ou involuntariamente – determinada imagem de si próprias. No limite, não existe um documento verdade. Todo documento é mentira. Cabe ao historiador não fazer o papel de ingênuo” (2).

notas

1
NE – sobre a semântica do pixo, ver: LASSALA, Gustavo; GUERRA, Abilio. Cripta Djan Ivson, profissão pichador. "Pixar é crime num país onde roubar é arte". Entrevista, São Paulo, ano 13, n. 049.04, Vitruvius, mar. 2012 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/13.049/4281>; LASSALA, Gustavo. O que a pixação tem a dizer. Drops, São Paulo, ano 14, n. 075.02, Vitruvius, dez. 2013 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.075/4989>.

2
LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, Editora Unicamp, 1996, p. 538.

sobre a autora

Deborah Neves é graduada e mestre em História pela USP, especialista em Gestão do Patrimônio e Cultura pela Unifai e em História Recente pelo CAICYT (Argentina) e doutoranda em História pela Unicamp.

 

comentários

127.05 protesto ou depredação
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

127

127.01 museu em crise

Vender obra de arte para pagar dívidas, como quer o MAM, é um descalabro

Sobre a venda da pintura de Jackson Pollock

Jorge Coli

127.02 tempos temerários

Cortinas de fumaça, obscurantismos e seus efeitos colaterais

Sobre o Museu do Trabalho e do Trabalhador, do escritório Brasil Arquitetura

Paulo Mendes da Rocha e Raquel Rolnik

127.03 patrimônio em risco

Privatização do Complexo Anhembi: a quem serve?

Ivan Maglio, Paulo Lomar e Ana Maria Wilheim

127.04 artes aplicadas

Varvara Stepanova e a escola soviética Vkhutemas

Maria Cau Levy

127.06 homenagem

Maria Helena Estrada

Irreverência e obstinação a serviço do design

Ethel Leon

127.07 crônica

Carta aos estudantes: reunião geral extraordinária!

Uma homenagem a Jorge Wilheim, fundador do Dafam

Lucas Dalcim

127.08 edifício comercial

São Paulo, de volta às alturas

Edifício Santos Augusta de Isay Weinfeld

Felipe SS Rodrigues

127.09 conservação do patrimônio

Plano de conservação da estrutura do Masp

Silvio Oksman, Lucia Furlan e Luiza Nadalutti

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada