Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Paulo Mendes da Rocha e Raquel Rolnik comentam a intolerância ideológica e o espetáculo midiático que predomina hoje no país, com desdobramentos alarmantes na área de arquitetura e urbanismo, com prisão de arquitetos e paralização de obras.

como citar

ROCHA, Paulo Mendes da; ROLNIK, Raquel. Cortinas de fumaça, obscurantismos e seus efeitos colaterais. Sobre o Museu do Trabalho e do Trabalhador, do escritório Brasil Arquitetura. Drops, São Paulo, ano 18, n. 127.02, Vitruvius, abr. 2018 <http://agitprop.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.127/6934>.



Não é a primeira vez na história, nem mesmo na história do Brasil, que expressões de insatisfação por parte da sociedade em relação à forma como esta é governada acabam por ser capturadas exatamente pelo objeto de sua indignação, transformando as múltiplas vozes que protestam em uníssono simplificador e totalitário. A medida em que avançamos na crise política brasileira, vai ficando mais evidente como a expressão da insatisfação em relação à perversa relação histórica entre o mundo dos negócios econômicos e o dos negócios políticos no Brasil foi sendo astutamente transformada em um espetáculo midiático de construção de um grande algoz – Lula, transformando este líder político e seu partido em “chefe da quadrilha” e, portanto, em objeto de ódio.

Na verdade, o “modo brasileiro de governar”, que historicamente submete os processos decisórios sobre o que e para quem serão usados os fundos públicos às lógicas de lucro de certas empresas e de reprodução de mandatos de políticos, vai sendo assim protegido e blindado. Embora claramente o Partido dos Trabalhadores (PT) tenha aceitado esta regra do jogo e apostado nela para realizar seu programa desenvolvimentista e de redistribuição de renda, é impressionante como rapidamente não apenas Lula e o PT, mas tudo que se refere ao imaginário social do trabalhador e suas lutas por emancipação, transformaram-se no “bode da sala”.

Como muitos já apontaram, mais do que a crise em si, trata-se de uma disputa de narrativas sobre a crise, disputa esta que tem permitido assistirmos ao fortalecimento de todo tipo de intolerância e abuso de poder, em nome da eliminação definitiva deste suposto algoz – assim como do imaginário cultural que este carrega. Desde o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que acertadamente muitos classificam como golpe, até medidas como conduções coercitivas espetaculosas, humilhações públicas e prisões sem conclusão de julgamento, vale tudo para alimentar o espetáculo da perseguição aos supostos culpados e, assim, criar uma potente cortina de fumaça para evitar “o pior”, ou seja, explicitar de fato quem ganhou e quem perdeu com a promiscuidade entre o mundo político e o mundo dos negócios. E mais: numa confluência perversa entre um moralismo autoritário e um liberalismo econômico, busca-se radicalizar justamente a histórica concentração de renda e de poder.

A arquitetura brasileira não passou incólume a essa onda de intolerância e caça às bruxas que o país está vivendo. Um dos exemplos é o projeto do Museu do Trabalho e do Trabalhador, de São Bernardo do Campo. Ali estão presentes vários dos elementos que apontamos: um escritório reconhecido nacional e internacionalmente que já havia projetado vários museus e centros culturais – Brasil Arquitetura – foi contratado por uma gerenciadora, a serviço de uma prefeitura, para projetar um museu dedicado ao registro da memória do mundo do trabalho, desde a chegada dos portugueses até os dias de hoje.

O escritório cercou-se, então, de uma rede de profissionais experientes e capacitados para poder pensar da museografia às fundações e ao paisagismo (como sempre ocorre em empreitadas deste tipo), entregou o projeto, e a obra foi iniciada e quase finalizada, quando uma ação conjunta entre o Ministério Público e a Polícia Federal – a Operação Hefesta – apontou supostos indícios de superfaturamento do projeto de arquitetura, paralisando as obras, prendendo arquitetos, bloqueando seus bens e de seus familiares e – sem julgamento nem sequer andamento do processo até hoje! – Impedindo estes profissionais de trabalhar.

Além disso, os 5,5 mil metros quadrados já construídos no centro de São Bernardo estão abandonados e a população do ABC e de São Paulo está sendo privada de usufruir de um importante espaço cultural.

A intervenção midiático-judicial consistiu em forjar, de forma sistemática e errônea, a narrativa de que um projeto de registro museográfico do mundo do trabalho é o “museu do Lula” e, assim, justificar, aos olhos do público, a imposição de penas a todos os arquitetos e engenheiros envolvidos, antes mesmo de qualquer processo. Aos amantes da arquitetura, convidamos todos a conhecer o projeto e sua museografia no portal Vitruvius (1), a lutar para que o museu seja concluído, que São Bernardo e seus cidadãos ganhem esta obra, e que os profissionais envolvidos possam continuar trabalhando e tocando suas vidas em paz.

A corrupção deve ser investigada e os responsáveis, punidos, mas, como aprendemos nas escolas de engenharia e arquitetura, não se derruba uma obra antes de construí-la. Imagino que seja assim também que se ensina nas faculdades de direito.

notas

1
PORTAL VITRUVIUS. Museu do Trabalho e dos Trabalhadores. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 207.04, Vitruvius, mar. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.207/6924>.

sobre os autores

Paulo Mendes da Rocha, arquiteto (Mackenzie, 1954), é autor de diversos projetos que se tornaram marcos urbanos – Pinacoteca do Estado, Museu da Escultura, Sesc 24 de Maio em São Paulo; Museu dos Coches em Lisboa; Museu e Teatro Cais das Artes em Vitória – e ganhador das principais láureas na área de arquitetura: Prêmio Pritzker em 2006, Leão de Ouro da 15aExposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza 2016, Prêmio Imperial 2016, Medalha de Ouro 2017 do RIBA – The Royal Institute of British Architects, dentre outros.

Raquel Rolnik é arquiteta (FAU USP, 1978). Foi relatora especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU para o Direito à Moradia Adequada (2008-2011, 2011-2014), diretora de Planejamento da Cidade de São Paulo (1989-1992), coordenadora de Urbanismo do Instituto Pólis (1997-2002) e secretária nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (2003-2007). É autora dos livros A cidade e a lei, O que é cidade , Folha explica: São Paulo e Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças.

biblioteca tempos temerários

Tempos Temerários é um projeto de Abilio Guerra e Giovanni Pirelli, produzido pela equipe do Marieta (portal Vitruvius + Irmãos Guerra Filmes + produtora Cactus), que visa ser um momento de debate sobre temas da atualidade, como um laboratório permanente para pesquisar técnicas, ações e ideias de resistência e transformação politica, social e cultural.

ADFAUPA, Diretoria Colegiada. Dia(spora) de arquitetos. Drops, São Paulo, ano 18, n. 123.07, Vitruvius, dez. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.123/6815>.

BRUM, Eliane. Gays e crianças como moeda eleitoral. El País, Madri, 18 set. 2017 <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/18/opinion/1505755907_773105.html>.

COLI, Jorge. Erotismo em tempos de cólera e boçalidade. Drops, São Paulo, ano 18, n. 120.04, Vitruvius, set. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.120/6703>.

COLI, Jorge. Por moralismo torpe, pessoas decidem eliminar a reflexão e neutralizar a arte. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.06, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6734>.

COLI, Jorge. Toda nudez será castigada. Drops, São Paulo, ano 18, n. 122.02, Vitruvius, nov. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.122/6756>.

FONSECA, Ricardo Marcelo. Um ano de ataques contra as universidades públicas brasileiras. Nota do reitor da UFPR. Drops, São Paulo, ano 18, n. 123.02, Vitruvius, dez. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.123/6800>.

GUERRA, Abilio. Notícias dos tempos temerários. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 189.04, Vitruvius, set. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.189/6706>.

LIRA, José. Tempos sombrios. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.01, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6713>.

LUZ, Afonso. Lygia Clark: todo bicho tem articulações. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.03, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6719>.

LUZ, Afonso. Trolagem institucional. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 190.01, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.190/6718>.

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Quem quer acabar com a universidade pública? Drops, São Paulo, ano 18, n. 123.04, Vitruvius, dez. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.123/6805>.

MEDEIROS, Afonso. Sobre o ataque do MBL à exposição Queermuseu em Porto Alegre. Drops, São Paulo, ano 18, n. 122.08, Vitruvius, nov. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.122/6786>.

MIYADA, Paulo. Carta ao prefeito de São Paulo. Sobre o nu no MAM-SP. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.02, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6714>.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. A nova direita conservadora não despreza o conhecimento. Carta Capital, São Paulo, 10 out. 2017 <https://www.cartacapital.com.br/politica/a-nova-direita-conservadora-nao-despreza-o-conhecimento>.

ROCHA, Paulo Mendes da; ROLNIK, Raquel. Cortinas de fumaça, obscurantismos e seus efeitos colaterais. Sobre o Museu do Trabalho e do Trabalhador, do escritório Brasil Arquitetura. Drops, São Paulo, ano 18, n. 127.01, Vitruvius, abr. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.126/6934>.

TIBURI, Marcia. Como seria o julgamento de Lula se estivéssemos em uma democracia. Drops, São Paulo, ano 18, n. 124.03, Vitruvius, jan. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.124/6836>.

TIBURI, Marcia. Sobre os últimos acontecimentos. A arte, a alma, os inquisidores. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.05, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6732>.

TOURINHO, Emmanuel Zagury. Agressão à liberdade de expressão. Nota oficial da UFPA. Drops, São Paulo, ano 18, n. 122.09, Vitruvius, nov. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.122/6787>.

 

comentários

127.02 tempos temerários
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

127

127.01 museu em crise

Vender obra de arte para pagar dívidas, como quer o MAM, é um descalabro

Sobre a venda da pintura de Jackson Pollock

Jorge Coli

127.03 patrimônio em risco

Privatização do Complexo Anhembi: a quem serve?

Ivan Maglio, Paulo Lomar e Ana Maria Wilheim

127.04 artes aplicadas

Varvara Stepanova e a escola soviética Vkhutemas

Maria Cau Levy

127.05 protesto ou depredação

Precisamos falar sobre monumentos e sua simbologia

Ou sobre a pixação no Pátio do Colégio

Deborah Neves

127.06 homenagem

Maria Helena Estrada

Irreverência e obstinação a serviço do design

Ethel Leon

127.07 crônica

Carta aos estudantes: reunião geral extraordinária!

Uma homenagem a Jorge Wilheim, fundador do Dafam

Lucas Dalcim

127.08 edifício comercial

São Paulo, de volta às alturas

Edifício Santos Augusta de Isay Weinfeld

Felipe SS Rodrigues

127.09 conservação do patrimônio

Plano de conservação da estrutura do Masp

Silvio Oksman, Lucia Furlan e Luiza Nadalutti

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada